sexta-feira, setembro 29, 2006

Recordação





E vamos sacudir mais poeira.
Quem não se lembra do Chacrinha?
"Teresinha!",
"Vocês querem bacalhau?",
"Quem não se comunica, se trumbica!"
Gente, não era mole nos anos 70, pegar onibus de Cordovil direto para a Tv Tupi lá na Urca para assistir aos programas do Chacrinha.
Tinha a Buzina e a Discoteca dele, mas eu gostava mesmo era da Buzina, programa de calouros quando ele com roupas engraçadas e espalhafatosas e empregando um humor debochado, acionava a buzina de mão para desclassificar os calouros que cantavam mal entregando-lhes um troféu abacaxi.
O Conjunto dos meus irmãos ( com cabelos de hené igual ao do James Brown) tocaram lá uma vez. Lembro que fiquei com as palmas da mão ardendo de tanto aplaudir, pois na epoca ganhava quem tivesse mais aplausos. Infelizmente a nossa torcida era pequena e " Os Pigmeus" ( o nome do conjunto) não ganharam.
Lembro até de ter assistido show com o nosso rei Roberto Carlos por lá.
Muitas vezes saíamos de lá com sacolas cheias pois o Velho Guerreiro atirava comida tipo biscoitos e bacalhau na platéia, como atirando amendoim a macacos no Zoo.
E os treinos lá em casa para ser chacrete não podem e devem cair no esquecimento ( não é manas?)
Aquelas dançarinas, que faziam coreografias bastante simples e ingênuas para acompanhar as músicas. Além da coreografia ensaiada, as dançarinas recebiam nomes exóticos e chamativos como Rita Cadillac, Índia Amazonense, Fernanda Terremoto, etc. Eram vestidas de forma decorosa e faziam parte do universo erótico de gerações de espectadores do programa.
Não é mole não, estou ficando velha...

5 comentários:

celia disse...

E eu tambem Betty. Gostei de relembrar do Chacrinha. Olha aqui tem uma coisa q eles chamam farinha, mas nao e como a q conheco no nordeste. Nunca comprei aqui. Outras coisas eu encontro. Bom finde. Bj

Luz disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Luz disse...

Como vivo na outra "margens do globo”, não conheço o Chacrinha, mas adorei sua lembrança.
Sabes, Beth, há imenso tempo que pensava escrever a "história da minha vida", e no mês passado comecei a “obra literária”. Bom, nalgumas partes, quando estou escrevendo as minhas memórias, quase que me mijo de tanto rir… noutras choro, choro… só visto!
Claro, não me considero escritora, sou simplesmente eu, nada de pretensões, e depois será um testemunho para deixar aos meus netos.
É tão bom a gente recordar… quando eu for muito velhinha, quero fechar meus olhos e lembrar de tudo, se Deus quiser!

Beijinhos, Beth

O Meu Jeito de Ser disse...

Beth, as lembranças fazem parte da nossa vida, quem não as têm, passou por essa vida sem nenhum motivo.
Também me lembro muito bem do tempo do Chacrinha, só nunca fui ao programa, nem maca de auditório. Lembra desta expressão: "macaca de auditório"
Muito bom.
beijos

valter ferraz disse...

Vc foi da pá virada, hein?