sexta-feira, agosto 25, 2006

Amor e ódio



Se eu amo?

Amo sim tanto quanto se possa amar

Sinceramente, doidamente

Tanto quanto se possa odiar

sinceramente, loucamente.

Pois é o pobre do jiló é assim amado ou odiado nada de meios termos.

Eu particularmente sou igual a passarinho e amo jiló. Mas hoje em dia só como quando vou ao Brasil. Quando morava ai comia todos os dias, frito, ensopado, cozido no arroz e na maioria das vezes cru e nunca enjoei.

Daria tudo para comer um pedacinho hoje, pois estou com a boca cheia d´água.

2 comentários:

ana pontes disse...

Bete se vc quiser, te mando via sedex alguns quilinhos de giló.
Quando vc vier aqui em casa, não vai comer giló, poderá comer por exemplo, o que jantei hoje, charuto.
Sempre fiz um panelaço, é uma das unanimidades aqui em casa, todos gostam. Mas agora, que estamos só eu e o Valter, reduzí. Ainda assim jantamos e sobrou meia panela.
Um beijinho, levemente amargo, como giló.

Anônimo disse...

adorei como sempre fico babando no seu site beijos marilda